sexta-feira, 8 de abril de 2011

Coceira vaginal causas





      Muitas mulheres sentem uma incômoda e convenhamos, inconveniente coceira na região da vagina.
Com certeza todas nós já passamos por episódios assim, uma intensa coceira que pode ser tanto interna quanto externa e que gera além do desconforto inúmeras dúvidas, será que a coceira vaginal é normal ou será que se trata de alguma doença sexualmente transmitida? Para esclarecer essa e demais questão pesquisamos mais acerca do assunto, vamos então a alguns esclarecimentos:
Primeiro é importante identificar o tipo de coceira, pois geralmente as que se localizam na região externa, na maioria das vezes são sintomas de simples processos alérgicos derivados de alguns péssimos hábitos femininos, como pelo constante uso de calcinhas de lycra, por exemplo, que dificultam a ventilação no local, impedindo que a região respire. Outro hábito muito comum das mulheres modernas é o use de sabonetes íntimos para higiene da região vaginal, alguns desses produtos são bastante ácidos e quando usados diariamente podem desequilibrar a flora bacteriana da vagina, por conta disso pode haver uma proliferação de outras bactérias nocivas a saúde, levando um corrimento mal cheiroso, desencadeando um processo alérgico com intensa coceira.
Algumas mulheres ainda mantêm uma prática bastante curiosa herdada por nossas avós, são os famosos banhos de assento, feitos com as mais variadas substâncias como sal, vinagre e folhas. Muitas acreditam que esse procedimento além de garantir higiene diária ainda pode prevenir de algumas doenças. Sobre essa prática, os ginecologistas são categóricos ao afirmar que pode ser extremamente perigoso à região genital, visto que podem queimar e ocasionar ardor na região, além de também desequilibrar a flora bacteriana, propicia o aparecimento de problemas mais sérios como a vaginose, por exemplo.
Agora, coceiras internas na vagina já não são simples sintomas alérgicos, pois a coceira interna é o principal sintoma da candidíase. Nesse caso a coceira além de intensa, é sentida tanto interna quanto externa, provoca ardor, inchaço, vermelhidão, dor ao urinar, dor durante a relação sexual e um corrimento branco similar a leite talhado, porém sem cheiro. A candidíase se origina de um fungo ocasionado por descuidos como higiene íntima inadequada, secar calcinha em local fechado e pouco ventilado como o Box do banheiro, uso constante de sabonetes íntimos e também contribui passar o dia todo com a mesma roupa.
Outro fator mais preocupante que pode originar coceiras na região íntima é a tricomoníase, uma doença sexualmente transmitida que apresenta como principais sintomas um corrimento intenso de coloração esverdeada, com mau cheiro, também pode haver dor durante a relação sexual, nesse caso é importante procurar um médico ginecologista para iniciar um tratamento o mais rápido possível. Em casos de doenças sexualmente transmissíveis o tratamento deve ocorrer em conjunto com o parceiro, pois quando somente um dos dois realiza o tratamento os sintomas voltam novamente.
Para prevenir as terríveis coceiras vaginais, basta algumas medidas simples no dia a dia como o uso de calcinhas de algodão e para uma boa higiene na região íntima basta água e sabonete neutro, para aquelas que não dispensam o uso de sabonetes íntimos, os profissionais recomendam restringir seu uso para apenas duas vezes na semana. Nos casos de maiôs ou biquínis molhados recomenda-se trocá-los logo que possível, evitando ficar com roupas molhadas ou úmidas. Importante sempre limpar a região íntima de frente para trás, ou seja, da vagina para o ânus, principalmente após urinar ou defecar e evite papéis higiênicos coloridos ou com cheiro.
A qualquer sinal de que algo não está bem procure um médico para um diagnóstico mais preciso e tratamentos adequados, visite seu médico regularmente e nunca se esqueça dos exames preventivos, importantes para manutenção da saúde e melhor qualidade de vida.

Um comentário:

  1. muito obrigado pelas as dicas isso deve ajudar varias mulheres

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar seu comentário
Por: Miriam Sanguine